Brazilian Historic Gardens

 

Rio de Janeiro – A cidade dos jardins

Vista Chinesa, Tijuca

“Rio de Janeiro – A cidade dos jardins – Semear a cidade de jardins, melhorando os existentes e abrindo novos, foi um dos principais números do programa de melhoramentos. Entre os antigos jardins, contam-se: o célebre parque da Praça da República, numa área total de 198.000 m², a maior parte da qual é ocupada pelo parque; o da Praça Tiradentes, que ocupa 8.600 m² dos seus 22.000 m² de área; e o Passeio Público, no princípio da Avenida Beira Mar, o mais antigo jardim do Rio, datando a sua criação dos tempos coloniais.

Na Praça da República estão situados: a estação inicial da Estrada de Ferro Central do Brasil, em frente à qual se ergue a estátua de Cristiano Otoni, seu construtor; o quartel general do exército, onde funciona o Ministério da Guerra; a Escola Normal, a Prefeitura Municipal, o Corpo de Bombeiros, a Casa da Moeda, o Senado Federal e o Posto Central da Assistência Pública, para socorros de urgência, um dos melhores serviços municipais do Rio. Ao centro do jardim ergue-se um monumento a d. Pedro I, comemorando a independência do Brasil.

Em frente ao Passeio Público, está situado o Club dos Diários, da mais fina sociedade carioca, célebre desde os tempos da Monarquia, com o nome de Casino Fluminense. Entre os novos jardins, além dos já citados, contam-se: o do Largo do Machado, onde está a estátua do marechal Duque de Caxias, glorioso soldado do Paraguai; no começo da Rua do Catete, acha-se outro jardim, o da Glória, circundando outro monumento, comemorativo da Descoberta do Brasil; ao fim da Rua Camerino, via de comunicação com o bairro da Saúde, foi adaptado ao morro do Valongo um gracioso jardim que domina a rua, transformando o aspecto da cidade. Pelos subúrbios, distribuem-se também vários jardins. Isso e a abundante arborização das ruas dão bem a impressão concretizada nesta expressão que caracterizou o Rio de Janeiro como a cidade dos jardins.

Substituindo o calçamento a paralelepípedos, o de asfalto já cobria, em 1906, uma zona de 140 m² 748, 59, tendo conquistado, de então para cá, outras ruas que não gozavam desse melhoramento.”

Do livro: Impressões do Brazil no Seculo Vinte. 1913. Disponível online.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*